quarta-feira, 26 de maio de 2010

EXERCÍCIO MIMÉTICO

1º tempo:
Parecia time pequeno. Ou então fiquei desacostumado de ver jogo no Maraca pela tevê. O horror que foi o time não foi necessariamente o somatório do horror individual que foram Leonardo Moura, Rômulo, Fernando, Toró, Vinícius Pacheco. Ainda que seja meio time, o horror de fato se deveu à ausência de jogo coletivo. Não há jogada. A postura do time é absolutamente defensiva. Se o Toró, ou o Fernando, toca a bola, não se apresenta à frente para recebê-la, tramar alguma jogada. Um futebolzinho de quem pensa pequeno. O que houve foi uma e outra jogada incisiva do Juan; o vislumbre vertical do toque do Camacho, garoto ainda mas que ousa, que não se satisfaz com o óbvio; Wagner Love, ainda que isolado na frente, tentou mais do que acertou. Love sabe jogar, busca o jogo como convém, mas tem de aprender a levantar a cabeça (ou talvez seja um problema de autocrítica: achar que joga mais do que realmente joga). O mapa da mina que o adversário encontrou foi às costas do Leonardo Moura, embora o gol tenha saído em jogada pelo meio: a facilidade com que o argentino tricolor conduziu a bola da intermediária até a entrada da área é indigna de 3 zagueiros e 2 volantes. Muitos podem sair, mas o que deve entrar é atitude. Qualquer atitude é melhor do que nenhuma.
....................................................................................................................................................................
2º tempo:
O circo dos horrores foi armado. Se o técnico não quis tirar o Fernando, sua senhoria de preto tratou de fazê-lo. Melhor pro jogo. Camacho foi chamado a fechar o buraco na direita. Fechou, mas desapareceu do jogo. E o jogo fez-se do outro lado, onde a todo momento uns 3 caras colocavam o Juan na roda. Muita vez eram uns 4 contra o Juan e o Angelim. Depois do 2x0 virou um peladão. Leonardo Moura virou 4º homem pela direita, David virou centroavante, Wagner Love virou meia e o Flamengo virou uma bagunça completa. Cada um por si e a ansiedade contra todos. Até que o Bruno bateu a falta com malícia de Zico: um golaço. Único acerto em noite de vexame. Vexame anunciado e que, preparem-se, há de ter continuação.

3 comentários:

http://leonardokope.blogspot.com/ disse...

timE jogou NADA

Jefferson disse...

Infelizmente até a copa será esse sofrimento. Esperemos que o pós copa nos traga motivos de orgulho e satisfação. SRN

Edu disse...

De vermelhoe preto a coisa está ficando só preta...

Saudações?