sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

OS ANOS 60 - parte III

O Rio fazia 400 anos de fundação em 1965. O Campeonato Carioca ganhou um valor suplementar: o título do IV centenário. O time mantinha os laterais e a dupla de meio-campo do campeonato vitorioso de 63. Se o goleiro não era tão bom quanto Marcial, a dupla de zaga era um pouco melhor e, se não tinha mais o grande ponta-direita Espanhol, a dupla de atacantes era muito, mas muito melhor: Almir e Silva formaram uma das melhores duplas de atacantes da nossa história. Ao fim do 1º turno, o Flamengo estava invicto: 5 vitórias e 2 empates, ambos 0x0, um contra o Flu, outro contra o Bangu, que era à época um time grande. E a única derrota sofrida foi exatamente contra o Bangu, no meio do returno. Mas com 2 vitórias espetaculares contra o Vasco (1x0, gol de Silva - 1.17) e contra o Fluminense (2x1, Neves e Silva - 1.30) o time sagrou-se campeão por antecipação. O último jogo, contra o Botafogo, era só para cumprir a tabela e Valdomiro, Murilo, Ditão, Jaime, Paulo Henrique, Carlinhos, Nelsinho, Neves, Almir, Silva e Rodrigues entraram em campo já com a faixa de campeão carioca do IV centenário. 90% dos 70.000 torcedores presentes eram flamengo e não deixaram de comemorar mesmo com o pouco de água que o Botafogo entornou no chope (1x0, gol de Gérson no fim). A auto-gozação rubronegra levou a torcida sair cantando e tirando um sarro em cima do ídolo, que agora vestia a camisa rival: É ou não é / piada de salão / o Gérson faz o gol / e o Flamengo é campeão.


4 comentários:

william disse...

A série está espetacular. Q venha mais...

edu disse...

show de bola

Mengão Guerreiro disse...

Gostei da musiquinha, essa torcida sempre foi criativa demais. É muito bom saber mais da história gloriosa do Mengão

Fred disse...

E a década de 70? E a de 80? A de 90? Quando, quando???

Saudações rubro-negras.