sábado, 12 de dezembro de 2009

AINDA

Ainda que tenha enorme força quando expressa, diante do espetáculo épico a palavra passa a ser mero adorno. O hexa foi a celebração dos sentidos. Nenhuma linguagem que lhe impusesse qualquer ordem. Quem era de ver, viu. Quem era de gritar, gritou. Quem era de chorar, chorou. Quem era de abraçar, abraçou. Pior jogo é o que se ganha na véspera. A festa do hexa começou no domingo anterior. Uma semana inteira de festa que, no entanto, foi suspensa ao começar o jogo - como se a festa pudesse se ausentar exatamente na sua hora. A comemoração tornou-se ansiedade, o calor se fez frio. Em briga com bêbado qualquer pontapé que se leve é derrota iminente. Quando o time bêbado do Grêmio fez o gol, os que tinham a premonição ergueram o invisível cartaz televisivo de eu já sabia. Ao contrário dos que só olhavam aonde o medo apontava, eu não tirava os olhos da grande área do time gaúcho. Era ali que o milagre do gol ia se realizar. O que eu vi o Adriano não viu. Enquanto o David pegava a sobra com uma porrada de direita, o Adriano pedia ajuda a Sua Senhoria. O gol era insuficiente, claro, mas era a certeza de que todo milagre precisa de esforço e chance. Na hora em que o Andrade ia botar o chileno no lugar do sérvio, emendei de primeira o melhor palavrão do repertório. Quem bem batesse falta e escanteio era essencial naquele momento, a menos de meia hora do fim. Pet em verdade não bateu o escanteio inesquecível, mas sublinhou aquela história do João Cabral em que o craque dá ao pé a malícia de mão. Ronaldo, fenômeno do agreste, esperou Pet correr para a bola antes de se aproximar da pequena área. Com isso livrou-se da marcação adversária. O zagueiro próximo à primeira trave correu, não em sua direção, mas em direção à bola buscando a antecipação. Ronaldo, fenômeno da Gávea, como quem antevê a trajetória da bola, finalmente sobe, livre, de encontro ao brinquedo de couro, alquimista a tornar tudo à volta em ouro. Dali até o apito final não sei quanto tempo passou, dois dias talvez, tempo suficiente para eu carregar durante toda a semana a mais doce e santa rouquidão.

2 comentários:

Luís Eduardo disse...

Amigão Urubu, voando mais alto do que nunca...

"Uma vez Flamengo, sempre Flamengo...". Esta secular afirmação está lá no nosso hino, e para mim resume com perfeição o sentimento de cada torcedor do CRF.

Ainda vai demorar para termos a real dimensão desta conquista para o CRF.

É sem dúvida alguma um marco na história do Mengão, agora vamos partir para conquistar em 2010 a América e o Mundo.

Fiz uma homenagem ao ANGELIM lá no "Saudações Rubro-Negras"...

SOMOS HEXA!

SRN, Luís Eduardo
Blog Saudações Rubro-Negras- http://jlwrubronegros.blogspot.com/
Blog SRN no twitter: http://twitter.com/LuisSRN

AF STURT disse...

Urubu começa ai campanha rumo ao Bi das americas e do mundial ,QUE HOJE FAZ 28 ANOS DA CONQUITA DO MAIOR TITULO QUE O CRF CONQUISTOU.