sábado, 21 de fevereiro de 2009

SEMPRE É POSSÍVEL PIORAR

O bando que o Cuca arrumou pra mandar a campo com as sagradas cores perderia até pra ala de baianas de escola de samba do 2º grupo. Eram 2 zagueiros na sobra, o Aírton atropelando quem aparecesse pela frente e o Willians correndo atrás de quem não vestisse rubronegro. Léguas de distância depois vinha o meiocampo, que em verdade nunca vinha, só ia e ia muitíssimo mal. Passe, pro Ibson, nem em macumba! A idéia de compactação no Flamengo é um queijo suíço cheio de buracos. No buraco entre o 2º zagueiro da sobra, o Thiago Sales, e o Juan foi inaugurada a genérica da Sapucaí. Os laterais não são o que antigamente chamávamos de laterais, nem são o que até há pouco chamávamos de alas. Não são coisa alguma. Correm pelo meio para que ninguém os ultrapasse a fim de não receber bola alguma na linha de fundo. Cuca redescobriu o chuveirinho sobre a área - e hoje com requinte: o ataque era composto por um centro-avante baixo e um anão argentino-de-cristo. Desta feita Cuca se superou: não precisou desarrumar nada, uma vez que o time já entrou desarrumado futebol clube. Cada um tem a sua não-função: a tática lelés do Cuca. O que devia ser de meia-dúzia foi de 3, porque de 3 é a marca da vergonha deste time. Quando o filho-de-fazendeiro fez o gol, o Leandro gritou do meu lado, "agora essa ***** incendeia". Pois é, não incendiou. Apesar da camisa, não havia o Flamengo em campo. Agora chega. Chega de falsas baianas. Vou ver as baianas de verdade.

Um comentário:

William disse...

Adeus, mais fácil dos tris...