quinta-feira, 8 de maio de 2008

Não é difícil, agora, entender a tragédia de 1950, quando um time de sonho perdeu o jogo já ganho na véspera. Este time do Flamengo está longe de ser um time de sonho, mas da mesma forma ganhou na véspera. Pior: ganhou pouco antes de a bola rolar. Não era uma partida a ser ganha, era a festa da classificação antecipada. O jogo, dificílimo, adversário intransponível, no entanto era fácil. Foi ganho na véspera. Sem um pique, uma gota de suor. Talvez tenha sido a derrota mais vergonhosa da história do Flamengo; da história que eu conheço foi a mais vergonhosa. E dolorosa - porque falsifica mais ainda uma falsificação: o time do Flamengo está longe de ser tão bom quanto se acha, mas de igual distância está de ser tão horroroso quanto o que apresentou ontem, ou hoje já que a noite emendou no dia como um pai zeloso que se recusa a dormir a fim de cuidar da ferida aberta no corpo do filho. Dias piores virão. Preparemo-nos todos os rubronegros. Virar esta página significa tê-la lido com atenção redobrada, concentração e interesse - exatamente como a partida contra os mexicanos devesse ter sido encarada. Só ganha quem se prepara para a luta. E ontem ninguém, time nem torcida, estavam preparados.

2 comentários:

urubu voador disse...

time ridiculo

Leandro disse...

Esse é o verdadeiro Joel .
E o time , é direitinho ele.
Fuinha , burro e ruím.
o trabalho no Flamengo nao é serio a muito tempo .